Artigo: A nobre atitude de dizer não
 

Artigos no Empregando Brasil

Você também gostaria de escrever um Artigo para o Empregando Brasil? Entre em contato conosco. Esse é um espaço aberto para todos os profissionais que queiram agregar informações relacionadas ao mercado de trabalho

A nobre atitude de dizer não por Eduardo Colamego

Todos os dias, as agencias de emprego e todas as empresas recebem dezenas e centenas de currículos, onde exige-se empenho e atenção para avaliar e selecionar esses currículos de acordo com as vagas que estão em aberto, feito isso, inicia-se a outra etapa que é a de contatos com os candidatos para o agendamento de entrevistas, agendamentos esses que são marcados por horário. Muitas vezes um selecionador ou analista de RH, passa um dia todo em processo de entrevistas, disponibilizando sua agenda para isso. Infelizmente, muitas vezes os candidatos contatados confirmam a participação no processo, preenchendo um horário na agenda, mas acabam não aparecendo na entrevista e não dão nenhum tipo de justificativa ou retorno, causando assim um problema para o profissional de RH que agendou o horário e ainda prejudicam outra pessoa que poderia realmente estar interessada na vaga, uma falta de respeito e postura profissional.

 

É preciso ter responsabilidade com os compromissos, é preciso ter a nobre atitude de dizer não. Se sente que não agradou a proposta e convite a entrevista, não diga que vai só por dizer, tenha a correta postura de dizer não.

 

Essa atitude não vai denegrir em nada sua imagem e ainda não vai prejudicar ninguém.

 

Pessoas que tem essa capacidade, que conseguem avaliar o cenário e não desperdiçam o tempo dos outros e nem o seu, ganham pontos por sua sinceridade e respeito.

 

Esse tipo de comportamento me remete a uma entrevista que vi certa vez onde um americano dizia que não conseguia entender porque os brasileiros tinham tanta dificuldade de dizer não, mesmo sabendo que não poderiam ou não iriam cumprir com o compromisso feito. Ele disse ainda que isso parece normal aqui, convidar alguém para jantar e a pessoa aceitar e depois simplesmente não aparecer, ou ainda combinar uma reunião de negócios e também não comparecer.

 

Na antiguidade, a palavra tinha um valor maior que um documento assinado, existia palavra até mesmo entre rivais em guerra e ela uma vez dita era irrefutável.

 

É hora de resgatar esse belo costume, algumas coisas não podem e nem devem ficar para trás, não devem ser consideradas ultrapassadas, não devemos atropelar costumes que nos fazem avançar e cumprir com a palavra nos faz avançar com certeza.

Foto do Autor

Eduardo Colamego

Palestrante, formado em Gestão de Recursos Humanos, cursando MBA em Pedagogia e psicopedagogia empresarial, além de possuir diversos cursos na área de gestão de pessoas entre eles, Comportamento Organizacional, Ética e Relações Humanas no Trabalho, Desenvolvimento Pessoal e Profissional, Educação Corporativa, Empreendedorismo e Gestão do Conhecimento. Trabalhou com Treinamento e desenvolvimento de pessoas para grandes operações de call center, ministrando conteúdos de grandes clientes. Supervisionou e geriu equipes de atendimento, focado em qualidade, respeito e ética no tratamento com os clientes e colaboradores, utilizando o que chama de Gestão de Consciência: "Ninguém faz nada bem feito simplesmente porque foi uma ordem direta e ponto, se não está consciente do porque, e que resultado sua ação trará, dificilmente irá realizar um grande trabalho. É preciso mostrar o propósito, só transforma-se algo em realidade através da consciência".
Como consultor, dedica-se à pesquisa e ao estudo em cenários e tendências da gestão empresarial, em temas ligados ao desenvolvimento do capital intelectual, estratégias competitivas, mercado de trabalho, perfil profissional, criatividade, inovação e a melhoria da qualidade.